Seguidores

segunda-feira, 13 de julho de 2015

FALAR SOBRE AMOR NÃO BASTA




Com certeza não seria preciso, tanta dor, tanto sofrimento, para burilamento da alma, se a humanidade conseguisse olhar para dentro de si mesmo e neste olhar tirasse a venda da vaidade, que faz com que seu julgamento de si próprio se altere, encontrando sempre um bom motivo para seu sentir tortuoso, para seus atos desumanos, sempre tirando de seus ombros a culpa, colocando-a sobre os ombros de outrem.

Mas parece que bem poucos são aqueles que entendem isto e menor ainda os que colocam em prática. Discursam sobre o fato, sobre a reforma interior, mas muitos nem tem a humildade de admitirem que eles mesmos não conseguem se libertar a ponto de fazer uma auto análise livre de qualquer interferência do próprio ego.

Mais simples seria pararem os discursos, pararem a divulgação e começar a exemplificação natural daquilo que tanto discursam. Através de exemplos palpáveis o amor puro, fraterno germinaria sementes palpáveis na alma de cada irmão.




Com exemplos, antes de tudo, foi que o Cristo semeou, falava, expunha os fundamentos essenciais para a evolução espiritual do Homem, mas, muito mais que isso, exemplificava em cada instante de sua passagem terrena. Seu olhar era do mais puro amor, quando parecia que se indignava com as atitudes humanas era na verdade um sentimento de pena, pena da humanidade que tanto haveria de sofrer para conseguirem sentir nas entranhas da alma o verdadeiro significado da palavra “amor”.



Sentimento este que quando purificado, cresce de tal forma que não há mais lugar para a vaidade, para o ego, para o egoísmo, para a materialidade, pois o ser que assim sente, percebe que não basta estar bem, para se sentir realmente bem todos aos seu redor também devem estar bem. Então, nunca é hora de cruzar os braços, sempre as mangas devem estar arregaçadas para que os braços livres possa abraçar a cada irmão que o Pai colocar em seu caminho.



Falar assim nos dias de hoje pode parecer uma utopia, todos com medo do irmão desconhecido, todos enredados na luta brava da sobrevivência, tantos à beira da fome, outros à beira da falência espiritual.



Mas nunca houve tanto a necessidade da propagação deste amor, não é necessário bens materiais para assim agir, é necessário bens espirituais, bens morais, entender que não importa que não se consiga atender a bilhões de necessitados, mas se cada um atender os poucos que em seu pequeno mundo passar ou entrar, o bem irá se propagar, acredite ele é contagiante e a união é como um cabo de força que vai arrastando a muitos para o lado do amor.

Mentes se modificarão, o bem será o normal, o mal envergonhado, enfraquecido se encolherá, e o bem prevalecerá, só então a humanidade descobrirá que não a necessidade de tantos sofrimentos, de tantas lágrimas para aprenderem, basta exemplificar o amor, vindo do interior e praticado no exterior.




Fiquem em paz,


ditado pelo Irmão da Paz,
psicografado por Luconi
em 12-07-2015

terça-feira, 12 de maio de 2015

RECEITA DA PAZ



Tão fácil é viver em paz, quem tem paz dentro de si com certeza transmite serenidade a todos a seu redor.



É uma energia maravilhosa, quem convive com a paz consegue sentir felicidade, os bons momentos da vida são bem mais intensos, pois nada existe para nublá-los dentro de si.



A receita para viver em paz, é tão simples e tão falada, mas por bem poucos seguida.




Para viver em paz basta deixarmos o amor fraterno se expandir dentro de nós a ponto de o colocarmos em todas as nossas ações, se tivermos realmente este amor automaticamente seremos mais tolerantes para conosco mesmo e com o nosso próximo, consequentemente fortaleceremos a qualidade da paciência e desta forma saberemos esperar momentos certos, esperar aquele sinal especial que o Pai nos envia mas que nossa impaciência não nos deixa ver.


Automaticamente tal amor tão especial não permite que julguemos nosso próximo e nem cruzemos os braços diante da necessidade de outrem tornando-nos solícitos sem arrogância, agindo de forma bondosa e de forma que nosso próximo não se julgue nosso devedor.




Como é deliciosa a sensação de um abraço sincero, de um sorriso aberto, de um dedo de prosa para aliviar o coração, tantas são a forma de prestar ajuda a alguém, além claro da ajuda material quando for o caso, mas que esta ajuda seja de forma que quem a receba não se sinta humilhado.




Bem tantas são as formas de ficarmos em paz e de levarmos esta paz a alguém. A receita é simples, aliás foi o Mestre que nos passou: “ Amai-vos uns aos outros. Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros”(João 13,34).



Amor tomando espaço em seu coração a ponto de não ter mais espaço para qualquer sentimento negativo como sentimentos de amor-próprio, ego, vaidade, orgulho. Verdadeiras ervas daninhas que abafam o amor, ocultando-o e tirando  a paz.



Fiquem em paz,




ditado pelo Irmão da paz
psicografado por Luconi
em 12-04-2015



terça-feira, 5 de maio de 2015

UM LAR OU UMA CASA?

                               Imagem:Núcleo Espírita Auta de Souza    
clique conheça



Era uma casa bela,
na rua não havia igual aquela,
mas seus moradores sempre tristonhos,
pareciam que não tinham nem sonhos.




Lá dentro cada um por si vivia,
cada qual com seus pensamentos,
não olhavam para o lado,
todos muito ocupados.




Tão sozinhos se sentiam,
na verdade mal se conheciam,
pelos laços de sangue unidos,
pelo gelo da individualidade separados.




Uma casa fria,
sem calor humano,
jamais seria um lar,
seria apenas uma casa.




Rir, brincar, participar,
entre si não sabiam,
com os amigos era fácil conversar.
amigos que o vazio não completariam.




No fundo em outras casas bem se sentiam,
calor humano encontravam,
mas na deles impossível,
um o outro culpava.




Tão fácil seria,
apenas um passo,
uma mão estendida,
um sorriso e um coração aberto.




Aos poucos o gelo iria quebrando,
o calor se instalando,
o eterno elo renascendo,
e a casa um lar se tornaria.






Não importa se na casa mora muita gente ou não, rica ou pobre, ela será um lar se nela houver amor fraterno, exalando de dentro para fora de cada um de seus moradores, mesmo que seja apenas um morador.





ditado por Gilson Gomes
psicografado por Luconi
12-04-15

terça-feira, 28 de abril de 2015

MAL DA HUMANIDADE





Um mundo tão repleto de gente e ao mesmo tempo tão solitário, nunca se viu tanta solidão no interior do ser humano.


Riem, brincam, conversam e é tudo tão superficial, os verdadeiros sentimentos estão guardados a sete chaves e na maioria das vezes nem eles mesmos os conhecem.


Medo de demonstrar fraqueza, desconfiança em relação àqueles que convivem, medo de julgamentos ou então apenas orgulho.


O ser humano está cada vez mais só, não compartilham suas alegrias e muitas vezes nem as reconhecem, pois há muito não conseguem visualizar as verdadeiras alegrias da vida.


Compartilhar alegria não é sair contando a todos isto ou aquilo, mas demonstrar a sua alegria no olhar, no abraço, nas palavras carinhosas, nos pequenos gestos, atitudes que vão espalhando esta energia de felicidade, de satisfação e grande bem faz a todos que com ela tem contato.


Mas parece que o ser humano se esqueceu das verdadeiras alegrias, se esqueceu de como é bom estar bem consigo mesmo e com todos a sua volta, se esqueceu como a paz interna é importante e levá-la ao seu exterior e estendê-la para um irmão mais importante ainda.


Não o ser humano se isola, camufla sentimentos, tem vergonha de abraçar um irmão, de sorrir para alguém, de falar de sua fé.


Ah! bons tempos quando falar de Jesus era motivo de horas de boa conversa, abraçar a todo irmão e mostrar-lhe o caminho era uma satisfação, foi-se o tempo, o homem se modernizou, voltou-se para a materialidade, e de repente o próximo ficou tão distante e muitos se envergonham de falar de Jesus outros ao ouvir falar Dele se enfadam.


É triste humanidade, que não tem tempo, que é tão moderna, que é tão sábia e que consegue dormir enquanto tantos gemem de frio, de fome, doentes do corpo e da alma.


Quando conseguirão finalmente visualizar o mal que a consome?


Abafaram o amor fraterno, distorceram e só quando o recuperarem é que a humanidade doente conseguirá se emergir e sentir o calor da Luz Divina.

Fiquem na paz de Cristo.




ditado por Áspargos
psicografado por Luconi
em 12-04-2015